COSTURA

O mercado de trabalho se encontra com o número menor de costureiras. Para aumentar sua capacidade competitiva, as confecções cada vez mais têm como meta a redução de custos, principalmente na mão de obra e o aumento da produtividade. Todavia, tal medida visa apenas a resultados em curto prazo. Para que isso aconteça, as empresas investem em novas tecnologias e na exploração máxima da capacidade produtiva do trabalhador, que muitas vezes chega a seu limite físico e emocional, favorecendo o surgimento de doenças ocupacionais, como as lesões por esforços repetitivos (LER) e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). De acordo com Cunha (1992) e Oliveira (1991), essa categoria profissional apresenta risco para desenvolvimento dessas doenças. IIDA (2005) aponta fatores que influenciam o desempenho do trabalho humano, como o projeto das máquinas e dos equipamentos, o ambiente físico (iluminação, temperatura, ruídos e vibrações), o relacionamento humano e os diversos fatores organizacionais do trabalho.