O presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Mauro Borges, disse nesta quinta-feira (31) que o governo analisa a possibilidade de criar um regime tributário diferenciado para o setor têxtil e de confecção e de incluir um kit enxoval, formado por 39 produtos de cama, mesa e banho, entre os benefícios do programa federal Minha Casa Melhor. As duas propostas foram apresentadas ao  governo pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil (ABIT), com o  objetivo de elevar a competitividade do setor, que sofre com a concorrência de competidores estrangeiros. A proposta do setor para o “kit enxoval” é que o beneficiário do programa Minha Casa Melhor tenha R$ 1,3 mil disponível para a compra produtos de cama, mesa e banho que vão desde as cortinas e tapetes aos cobertores e toalhas. O pagamento seria feito com juros baixos em um período de até 48 meses. A ABIT estima que isso aumentaria em 10% a produção do setor de cama, mesa e banho.